A importância de uma Consultoria Jurídica em Franquias

Mudança de carreira? Se for adquirir uma franquia, confira oito armadilhas!

Se a ideia é ter um negócio duradouro e lucrativo, profissional precisa mudar alguns conceitos, diz consultora jurídica.

Existem profissionais que decidem mudar o curso de sua carreira ao se tornarem consultores ou abrir o próprio negócio, por exemplo. Ao pensar em ser o próprio patrão, muitas pessoas optam pela compra de uma franquia.

A consultora jurídica Melitha Novoa Prado explica que, antes de optar pela franquia, é necessário ter alguns cuidados. “Se a ideia é ter um negócio duradouro e lucrativo, então é melhor mudar alguns conceitos e arregaçar as mangas desde o processo de seleção, já que muitos dos entraves para o sucesso são criados inconscientemente pelo próprio comprador da franquia”, afirma.

Cuidado com as armadilhas
A especialista alerta para que o profissional interessado em adquirir não caia em oito armadilhas. Confira:

  1. Comprar uma franquia que você goste para outra pessoa administrar: É comum pessoas da família presentearem outras com uma franquia. Segundo Melitha, o resultado pode ser negativo, se o profissional que está no comando da franquia não tiver condições de administrá-la. Para não cair nesta armadilha, ela aconselha que, ao pensar no familiar, a pessoa redobre a atenção às necessidades do outro. É importante ter conversas esclarecedoras, não forçar o outro a aceitar o trabalho, além de pedir ajuda a um profissional para traçar o perfil de quem conduzirá a franquia.
  2. Ter pressa ao analisar a COF: A COF (Circular de Oferta de Franquia) é entregue pelo franqueador para que o candidato a franqueado analise em 20 dias. Por se tratar de um documento importante, é necessário submetê-lo a um advogado, para que esse indique pontos obscuros.
  3. Deixar de conversar com franqueados atuais e ex-franqueados: A COF tem uma lista de ex-franqueados da rede. É importante que o profissional procure saber quais foram os pontos negativos da franqueadora. Isso é tão imprescindível quanto consultar os franqueados atuais, que poderão esclarecer dúvidas quanto ao cotidiano do negócio.
  4. Optar por uma franqueadora que não é associada à entidade representativa: Ser associado à entidade representativa, a ABF (Associação Brasileira de Franchising), significa que, no momento da filiação, a empresa forneceu documentos que mostram que ela pratica o franchising de acordo com a legislação.
  5. Não avaliar os números fornecidos pela franqueadora: É importante observar se o faturamento médio da rede é compatível com o investimento. O faturamento deve ser coerente em relação ao investimento. Também é necessário levantar a situação financeira da empresa franqueadora. Procure órgãos governamentais e entidades comercias.
  6. Firmar acordos verbais: Lembre-se que só vale o que consta em contrato, por isso não adianta buscar na Justiça promessas e acordos verbais que não foram assinados pelas duas partes. Fique atento e exija no contrato tudo o que foi combinado no processo de seleção.
  7. Tentar mudar padrões da rede sem consultar a franqueadora: Acreditar que determinas atitudes da franqueadora, como taxa de royalties, publicidade e produtos serão facilmente resolvidos. Segundo a especialista, quem pensa dessa maneira está começando da maneira errada, e certamente terá futuros problemas. A advogada explica que a inadimplência do franqueado e a mudança nos padrões são os problemas mais comuns das redes. “Por isso, se você não concorda com as regras e elas servem para toda a rede, talvez a franquia não seja uma opção adequada para você”, alerta.
  8. Participar de apenas um processo seletivo: Ao participar de um único processo de seleção, não é possível ter parâmetros para comparar o discurso, as vantagens e as desvantagens de cada marca. Assim, é aconselhável que se escolha duas empresas, ainda que sejam do mesmo segmento. “Não se trata de uma ser melhor do que a outra, mas de uma ser mais adequada ao seu momento, ao seu perfil e à localidade em que será instalada”, finaliza a advogada.

Fonte: Administradores.com.br
Por Karla Santana Mamona, InfoMoney

Publicações relacionadas

1 Comentário

  1. nilza da silva bezerra

    No Brasil cresce cada vez mais o número de empresas franqueadas, graças ao grande sonho de muitos que passam a vida querendo tornar-se empreendedores de sucesso. Franquear é o melhor caminho, para quem quer crescer, empreender, e ter sucesso, diga-se de passagem um sucesso que é pelo sucesso alheio, mas, que dar certo, e muito certo mesmo. Não é atoa o caso do me-donalds, da coca-cola e muitos outros parceiros que acreditam que parar dar certo só oprecisam de um empurrãozinho, e isso o franqueador, faz muito bem.
    Sou acadêmica de Adminisdtração de Empresas na AIEC, tenho 23 anos, sou secretária e sonho em mim tornar uma grande empreendedora, com certeza vou buscar um ótimo franqueador, farei minha parte e terei sucesso garantindo, mas com muita cautela, analizando as questões que são a favor e as que não são.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *