Marcas viajam para o futuro em nova produção de Hollywood

MK-CE047_HORIZO_D_20130616182037

Em seu novo filme de ficção científica, o escritor e diretor Neill Blomkamp seleciona alguns produtos bem conhecidos e os manda em uma cápsula espacial para o futuro.

O filme “Elysium”, da TriStar Pictures e Media Rights Capital, da Sony Corp. — que tem estreia mundial marcada para 9 de agosto e conta com a participação do ator Wagner Moura —, se passa no ano de 2154, quando a humanidade se divide em dois mundos. A Terra está superpovoada, cheia de pobreza e doenças e Elysium é uma estação espacial de alta tecnologia habitada pelos privilegiados, onde não há doenças, pobreza ou guerras. Ela é fortemente vigiada contra visitantes intrusos da Terra.

O diretor-presidente de uma empresa fictícia chamada Armadyne, que alimenta a Elysium, viaja todos os dias para a Terra em uma nave espacial vermelha e preta fabricada pela Bugatti Automobiles S.A.S.

“Se houvesse um monte de ricaços morando lá em cima, eles teriam o equivalente a Ferraris e Bugattis para voar por lá,” disse Blomkamp, que também escreveu e dirigiu o filme “Distrito 9”.

O merchandising de “Elysium” se assemelha ao do filme de ficção científica “2001: Uma Odisséia no Espaço”, de Stanley Kubrick, de 1968, no qual uma aeronave da Pan Am, que naquela época ainda era uma companhia aérea famosa, transporta passageiros entre a Terra e a Estação Espacial V.

Em 1982, no filme de Ridley Scott “Blade Runner”, situado no ano de 2019, a Pan Am, junto com marcas como Coca-ColaAtari e TDK, aparecem em destaque em outdoors com naves voando ao seu redor.

Em “Elysium”, a Bugatti da Volkswagen — cujos carros custam hoje entre US$ 1,33 milhão e US$ 3,28 milhões – é a marca de luxo preferida para a viagem espacial.

O conceito de um ônibus espacial Bugatti se alinha com a visão do falecido fundador Ettore Bugatti, que era um futurista, segundo Emanuela Wilm, gerente geral de marketing da Bugatti na região das Américas.

“Se Ettore ainda estivesse vivo, ele teria concordado imediatamente com a proposta do Neil e já teria começado a esboçar os projetos”, diz ela. “Em 2154, é bem provável que tenhamos um Bugatti voador”.

Os carros Bugatti de hoje podem chegar a até 415 quilômetros por hora e o modelo Grand Sport Vitesse vai de zero a 160 quilômetros e de volta a zero em menos de 10 segundos, diz Wilm.

Para outro cenário principal do filme, a parte da Terra que foi filmada nas favelas da Cidade do México, o diretor incluiu o carro esportivo GT-R da Nissan Motor Corp., que em 2154 teria 147 anos. Hoje, o Nissam GT-R Premium é vendido nos Estados Unidos por cerca de US$ 100.000.

“O GT-R é um dos melhores carros de alto desempenho à venda no mercado agora,” diz Blomkamp, um apaixonado por carros e velocidade. “Eu queria tornar o GT-R a versão de carro de alto desempenho disponível na Terra”, diz ele, referindo-se a uma versão dilapidada do carro. Ele soldou painéis à prova de balas no GT-R e o fez parecer com um veículo do “Mad Max”, mais um filme utópico, de 1979.

Outras marcas estão presentes em lugares inesperados no filme. O logotipo da Kawasaki Motors Corp., fabricante de motocicletas e veículos para todo o tipo de terreno, torna-se parte do personagem principal, Max (interpretado por Matt Damon), quando um exoesqueleto motorizado que leva o nome da companhia em uma de suas partes é implantado nele.

Dentro das casas em Elysium, os moradores possuem um “Med-Pod 3000,” ou um dispositivo médico que regenera células jovens e saudáveis e oferece tratamento que salva vidas. Como resultado, os residentes de Elysium vivem três vezes mais do que as pessoas na Terra. No trailer do filme, uma das poções de longevidade vem com o logo da Versace, da Gianni Versace SpA.

Blomkamp, que trabalhou com um orçamento de US$ 115 milhões, enviou pessoalmente e-mails para as empresas, cujos produtos ele queria que aparecessem no filme para dar uma sensação de realismo. “Este filme tem sido diferente no mundo de merchandising porque nós não estamos usando estes produtos de forma comercial, escreveu ele para a Bugatti. “Eu simplesmente quero esses produtos porque eu acredito que eles podem melhorar o filme.” O filme anterior de Blomkamp, “Distrito 9”, foi produzido por US$ 34 milhões. Ele arrecadou US$ 216 milhões no mundo inteiro e foi indicado para quatro Oscars, incluindo o de melhor filme. “Elysium” é o primeiro filme do cineasta depois de “Distrito 9”.

Foi a paixão e a confiança do diretor num e-mail enviado em 2011 que convenceu Wilm, da Bugatti. “Elysium” é a primeira produção cinematográfica que inclui merchandising da marca.

Fonte: TWSJ

Publicações relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *