Paul McCartney processa Sony por direitos autorais dos Beatles

Paul McCartney processa Sony por direitos autorais dos Beatles

Crédito Foto: Marcelo Brandt/G1

O cantor e compositor Paul McCartney entrou com um processo na última quarta-feira (18) contra a gravadora Sony para recuperar os direitos autorais de propriedade intelectual dos sucessos que compôs com os Beatles entre os anos de 1962 e 1971.

A argumentação de McCartney se baseia nas diversas modificações na legislação americana sobre os direitos autorais que, segundo o cantor de 74 anos, lhe permitiriam recuperar a partir de 2018 a propriedade das canções escritas por ele e John Lennon para os Beatles.

Entre as músicas estão sucessos como “Love Me Do”, “Can’t Buy Me Love”, “Ticket to Ride”, “Yesterday”, “Hey Jude” e “Let It Be”.

De acordo com o texto da ação movida em um tribunal federal de Nova York, McCartney comunicou desde 2008 e em repetidas vezes para a Sony que detém o catálogo dos Beatles depois de várias compras e vendas ao longo das décadas.

Uma revisão de 1976 da legislação americana sobre estabeleceu que, os artistas que tivessem vendido seus direitos autorais a terceiros antes de 1978, poderiam retomar os mesmos 56 anos depois da criação dessas obras.

Dado que as primeiras canções dos Beatles são de 1962, Paul McCartney considera que a partir de 2018 poderia executar esta cláusula legal.

“Quando o primeiro termo (dos direitos autorais vendidos) entrar em vigor em 2018, é necessária e apropriada uma declaração judicial para que Paul McCartney possa confiar tranquilamente em seus direitos”, diz o processo.

Esta frase da denúncia sugere que por trás do movimento do ex-Beatle poderia estar o temor de que seu caso termine como o do grupo britânico Duran Duran, que em uma disputa judicial de características semelhantes contra a Sony perdeu a tentativa de recuperar os direitos de suas músicas.

Em resposta, a Sony afirmou possuir “o maior respeito” com o artista, mas afirmou estar “decepcionada” por uma decisão que considera “desnecessária e prematura”, informou o “The Hollywood Reporter”.

“Trabalhamos próximos durante décadas, tanto com Paul como com os herdeiros de John Lennon, morto há 36 anos, para proteger, preservar e promover o valor dos catálogos. Estamos decepcionados que tenham apresentado esta reivindicação, que achamos que é desnecessária e prematura”, disse a Sony.

Fonte: G1

Publicações relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *