A importância da marca e seu registro


Em seu livro, Top of Mind – o desafio de ser lembrado e reconhecido recentemente lançado, o professor e consultor de marketing, Enio Carvalho, ressalta a importância das marcas e os resultados da sua promoção Top of Mind. “Provavelmente, as marcas ainda não são administradas como deveriam, porque não sabemos definir corretamente qual o objeto da marca. E você? Sabe definir o que é uma marca? Em um mercado competitivo que vivemos, a marca é uma imagem aliada à opnião que se tem dela. Ela engloba uma dinâmica de relações entre quem oferta e a comunidade que lhe cria valor. Ela precisa ser gerenciada. Ela tem essência. Por isso deve ser alvo constante das nossas preocupações se quiser ser perene”, destaca o autor.

“A marca possui a capacidade de transmitir ao consumidor inúmeros valores implícitos no respectivo produto. Sem marca, não há criação de mercado, por ela ser o sinal que permite ao consumidor a identificação da origem do produto, constituindo, por sua vez, uma clientela”. Lembra a advogada Sônia Carlos Antônio, diretora do departamento de Monitoramento da empresa Vilage Marcas e Patentes.

O Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI é órgão competente, no Brasil, para que a marca tenha propriedade garantida, podendo, assim, fazer uso de medidas judiciais contra terceiros que a utilizem sem seu consentimento, para assinalarem produtos ou serviços relacionados.

O Registro da marca no INPI garante a propriedade e proteção somente no território nacional. E explica a diretora da Vilage: “No caso de a empresa exportar seu produto, se fará necessário registrar a marca também no país de destino, devendo ser feito, preferencialmente, por um agente de propriedade industrial, capaz de fazer uso competente das diversa opções disponíveis, através de acordos internacionais”.

Consta que, no Brasil, mais de cem mil marcas novas são registradas por ano, informa Enio Carvalho.”Marca não é certidão de nascimento. Ela é um filho que precisa ser criado e cuidado a cada momento”, frisou o consultor.

Fonte: Associação Comercial da Bahia.

Publicações relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *